Scielo RSS <![CDATA[Análise Psicológica]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=0870-823120130002&lang=pt vol. 31 num. 2 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt <![CDATA[<b>Isolamento social e sentimento de solidão em jovens adolescentes</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312013000200001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Os estudos mostram a importância das relações de pares para um desenvolvimento saudável e harmonioso, principalmente no período da adolescência. Como tal, a problemática do isolamento social torna-se num domínio com redobrado interesse durante esta fase da vida dos jovens. São vários os estudos que associam o retraimento social de crianças e adolescentes a consequências ligadas a perturbações internalizadas, como por exemplo, a solidão. O presente estudo teve como objetivo verificar os sentimentos de solidão expressos por adolescentes isolados-retraídos e isolados-agressivos. Conjuntamente, também se pretendeu verificar se existiam e como se manifestavam as diferenças em função do sexo relativamente a esse sentimento quer para os adolescentes isolados-retraídos, quer para os isolados-agressivos. Participaram neste estudo 900 jovens adolescentes (446 do sexo feminino), com idades compreendidas entre os 12 e 15 anos, provenientes de duas escolas da região da grande Lisboa. Os instrumentos de recolha de dados utilizados foram o ECP (Extended Class Play) e RPQ (Relational Provision Loneliness Questionnaire). A análise multivariada das dimensões do RPQ em função do Grupo (controle, isolados-retraídos e isolados-agressivos) e Sexo revelou efeitos principais multivariados para ambos os fatores. Estes resultados evidenciaram um menor nível de Integração com os Pares nos adolescentes isolados-retraídos, comparativamente com os do grupo de controlo. Relativamente á Intimidade com os Pares verificou-se que os jovens isolados-retraídos apresentam níveis significativamente inferiores de intimidade por comparação com os do grupo de controlo. Considerando as diferenças em função do sexo, verificou-se que as raparigas se consideram significativamente mais íntimas com os seus pares do que os rapazes.<hr/>Studies on peers’ relationships highlight the importance of these for a healthy development, especially in adolescence. As such social isolation becomes a problem with renewed interest during adolescence. There are several studies linking social withdrawal and internalizing problems, such as loneliness. The present study aimed to verify the feelings of loneliness that withdrawn and aggressive adolescents express. We were also interested in examining if there is and how they manifest gender differences in feelings of loneliness for isolated/aggressive and isolated/withdrawn adolescents. Nine hundred adolescents participated in this study (446 females), aged between 12 and 15 years from two schools in Greater Lisbon. To achieve the goal we set ourselves, we applied two questionnaires: the ECP (Extended Class Play) and RPQ (Relational Provision Loneliness Questionnaire). Multivariate analysis of the RPQ dimensions by Group (control, isolated/withdrawn and isolated/aggressive) and Sex, reveled main effects for both factors. The results showed lower levels of peer integration for isolated/withdrawn adolescents relative to the Control Group. At the level of peer intimacy the isolated/withdrawn adolescents considered having significantly lower intimacy when compared to the control group. Gender differences were also found with girls considering themselves significantly more intimate with their peers than boys. <![CDATA[<b>O desenvolvimento da socialização e o papel da família</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312013000200002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O estudo apresentado procurou analisar o papel da família no desenvolvimento da socialização em crianças e adolescentes, nomeadamente no que concerne ao papel da estrutura familiar e das relações pais-filhos. Assim, foi nosso objectivo verificar, por um lado, se a estrutura familiar seria por si só uma variável significativa para o desenvolvimento dos comportamentos sociais ou se, por outro lado, as relações pais filhos seriam melhores preditores da socialização dos filhos. Para o efeito, auscultaram-se 182 crianças e adolescentes a frequentarem o ensino básico, do 6º ao 9º ano de escolaridade, através de três questionários de auto-resposta que avaliaram aspectos sócio-demográficos, variáveis de socialização e relações pais-filhos. De um modo geral, os resultados obtidos permitem assumir que, mais do que a estrutura familiar por si só, será o modo como os elementos da família se relacionam que influenciará o desenvolvimento da socialização dos filhos. Acreditamos que tal conclusão poderá trazer importantes e úteis implicações no que ao desenvolvimento dos comportamentos sociais de crianças e adolescentes diz respeito, não apenas para a família, como para todas as instituições e profissionais que com ela lidam.<hr/>The present study analyses the family's role in children and adolescents' socialization development, namely in what concerns the role of family structure and parent-child relations. Hence, our aim was to verify, on the one hand, if family structure alone would be a significant variable for the development of social behaviours or if, on the other hand, parent-child relations would best predict children's socialization. For that purpose, 182 children and adolescents attending school from the 6th to the 9th grades were asked to answer three self-report measures assessing sociodemographic aspects, socialization variables, and parent-child relations. Overall, results allow us to assume that, more than family structure by itself, it is the way family members relate to each other that will influence the development of the children's socialization. It is our belief that such conclusion may translate into important and useful implications regarding the development of social behaviours in childhood and adolescence, not only for families, but also for all institutions and professionals that deal with family matters. <![CDATA[<b>A construção narrativa da identidade em jovens adotados</b>: <b>O caso Beno</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312013000200003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A adolescência é o momento em que surge a necessidade de construção de uma identidade que permita à pessoa uma relação produtiva com o mundo (Erikson, 1968; Habermas & Bluck, 2000; McAdams, 2001). McAdams refere-se ao processo de construção da identidade como o de desenvolvimento de um sentido de unidade e de propósito diante das demandas do mundo e da sociedade, no qual os jovens organizam sua história de vida a fim de produzir uma narrativa autobiográfica coerente. O presente trabalho investiga, através de um estudo de caso, a elaboração de uma narrativa de vida com a finalidade de buscar ali a construção narrativa da identidade da pessoa adotada. Interessa-nos investigar como aparece a questão da adoção na narrativa de vida e qual seu papel na construção do self narrativo. Foi entrevistado um jovem de 22 anos de idade com a Entrevista de Elicitação de Histórias de Vida (Gonçalves, Henriques, & Vieira, 2010). A narrativa foi submetida a uma análise descritiva de estrutura, processo e conteúdo, baseada nos sistemas de Gonçalves e colaboradores (Gonçalves, Henriques, Alves, & Soares, 2002; Gonçalves, Henriques, & Cardoso, 2006; Gonçalves, Henriques, Alves, & Rocha, 2006; Gonçalves, Henriques, Soares, & Monteiro, 2006); no modelo tridimensional de coerência global de narrativas de vida (Habermas & Diel, 2005; Habermas & de Silveira, 2008; Habermas, Ehlert-Lerche, de Silveira, 2009); e na análise da multiplicidade de imagos, caracteres e vozes do discurso narrativo (Hermans, 2008; Hermans & Kampen, 1993; McAdams, 1993).<hr/>The adolescence is the moment when arises the need to construct an identity that allows the person a productive relationship with the world (Erikson, 1968; Habermas & Bluck, 2000; McAdams, 2001). McAdams refers to the process of identity construction as the development of a sense of unity and purpose given the demands of the world and society. It is a process in which young people reorganize and reconstruct their life story to produce a coherent autobiographical narrative. This work investigates, through a case study, the construction of a life narrative in a young adult that have been adopted in childhood. The aim of the study is searching for the narrative construction of the identity in an adopted person. We want to know how the motive of the adoption appears in the narrative of a life story and its function on the construction of the narrative self. We have been interviewing a man in 22 years old with the Life Story Elicitation Interview Protocol (Gonçalves, Henriques, & Vieira, 2010). The interview was submitted to a structure process and content descriptive analysis, based on the systems of Gonçalves and col. (Gonçalves, Henriques, Alves, & Soares, 2002; Gonçalves, Henriques, & Cardoso, 2006; Gonçalves, Henriques, Alves, & Rocha, 2006; Gonçalves, Henriques, Soares, & Monteiro, 2006) on the tridimensional system of global coherence of life narratives (Habermas & Diel, 2005; Habermas & de Silveira, 2008; Habermas, Ehlert-Lerche, de Silveira, 2009) and in the analysis of the multiplicity of imagoes, characters and voices of the narrative speech (Hermans, 2008; Hermans & Kampen, 1993; McAdams, 1993). <![CDATA[<b>O tempo subjectivo como instrumento (des)adaptativo no processo desenvolvimental</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312013000200004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A Perspectiva Temporal - PT (Zimbardo & Boyd, 1999) é o processo através do qual as experiências pessoais e sociais dos sujeitos são categorizadas, arquivadas e recuperadas mediante categorias temporais que têm por base as noções subjectivas do passado, o presente e o futuro. Assim, através de uma análise da PT é possível compreender mudanças em diversas variáveis, tenham estas um carácter funcional (auto-estima, investimento escolar, comportamentos pró-activos e de empreendedorismo) ou disfuncional (consumo de drogas, comportamentos de risco, depressão) no processo desenvolvimental dos sujeitos. São apresentados dois estudos, de forma a validar esta tese. No primeiro é explorada a relação entre a PT e o desempenho académico, os resultados sugerem que os sujeitos com uma forte visão Fatalista do Presente assim como aqueles com baixa orientação para o Futuro, apresentam piores resultados académicos do que aqueles com uma forte orientação pessoal para o Futuro, resultados que são coincidentes com outros estudos prévios (Boniwell & Zimbardo, 2004; Lens & Tsuzuki, 2007). No segundo estudo é analisada a relação da PT com a auto-estima, no qual se verifica uma importante relação entre as dimensões de Passado Negativo, Presente Hedonista e Futuro Negativo com a auto-estima.<hr/>Time Perspective - TP (Zimbardo & Boyd, 1999) is the cognitive process through which personal and social experiences are categorized, stored and retrieved by the use of temporal frames related with the past, present and future. With the analysis of TP it is possible to understand changes in several variables, adaptive (self-esteem, academic effort, pro-active behaviors and entrepreneurship) or dysfunctional (drugs consumption, risk behaviors and depression), on the developmental process of the subjects. Two studies are presented; the first explores the relation between TP and academic achievement. Based on the results we suggest that individuals that have a fatalistic perspective about the present, as well as individuals with little Future perspective, show the worst academic results when compared with individuals with a strong orientation towards the future. These results are coincident with previous studies (Boniwell & Zimbardo, 2004; Lens & Tsuzuki, 2007). In the second study the relation between TP and Self-Esteem is analyzed and an important relation between Past Negative, Present Hedonist and Future Negative with Self-Esteem is identified. <![CDATA[<b>Qualidade de vida e sintomatologia psicopatológica em pais de crianças com diagnóstico de deficiência/anomalia congénita</b>: <b>A importância das características de resiliência</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312013000200005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O objetivo do presente estudo consistiu em avaliar a adaptação parental, em termos de sintomatologia psicopatológica e qualidade de vida (QdV), bem como avaliar a influência das características de resiliência parental na sua adaptação, bem como na adaptação do(a) parceiro(a). A amostra foi constituída por 90 participantes (45 casais), pais de crianças com um diagnóstico de deficiência/AC. O protocolo de avaliação incluiu a Escala de Resiliência para Adultos (ERA), o Inventário de Sintomas Psicopatológicos (BSI-18) e o instrumento de avaliação de QdV da Organização Mundial de Saúde, WHOQOL-Bref. Os resultados mostraram que as mães apresentaram valores mais elevados na dimensão ansiedade (p<.01), no índice geral de gravidade (p<.01) e pior QdV psicológica (p<.05). As mães apresentaram valores mais elevados de resiliência, em particular de coesão familiar (p<.05). Em ambos os pais, a resiliência mostrou-se associada a menor sintomatologia psicopatológica e a resultados mais elevados de QdV. A resiliência materna não se mostrou significativamente associada à adaptação paterna mas, constatou-se que níveis elevados de resiliência paterna se associaram a menor sintomatologia psicopatológica e melhor QdV materna. Os resultados deste estudo evidenciam o papel protetor da resiliência na adaptação parental ao diagnóstico de anomalia congénita da criança. Adicionalmente, estes resultados enfatizam a necessidade de avaliar e promover os recursos parentais. Por fim, ressalta-se a necessidade de avaliação do casal como unidade de análise e os potenciais efeitos cruzados no desenho de intervenções terapêuticas, reforçando-se o papel da relação conjugal e do contexto interpessoal em que esta problemática ocorre.<hr/>The purpose of the current study was to assess the parental adaptation, in terms of psychopathological symptoms and quality of life (QoL) and to examine the influence of parent’s resilience characteristics in their adaptation, as well as in their partner’s adaptation. The sample was constituted by 90 parents (45 couples) whose child had a diagnosed disability/CA. The assessment protocol included the Resilience Scale for Adults (RSA), the Brief Symptom Inventory (BSI-18) and the World Health Organization Quality of Life Instrument (WHOQOL-Bref). Results showed that mothers reported significantly higher scores on anxiety (p<.01) and overall emotional distress (p<.01), and lower scores on psychological QoL (p<.05). Mothers also presented higher levels of resilience, particularly family cohesion (p<.05). In both parents, resilience was associated with lower scores of psychopathological symptoms and higher scores of QoL. Findings also showed that maternal resilience was not significantly associated with the paternal adaptation; however, it was observed that higher levels of paternal resilience were significantly associated with better maternal adaptation, particularly, lower psychopathological symptoms and higher scores in QoL. Findings from this study highlight the protective role of resilience in the parental adaptation to the diagnosis of a congenital anomaly in the child. Additionally, these findings emphasize the need to assess and promote parent’s resources. Lastly, it emphasizes the need of assessing the couple as a unit of analysis and the potential cross-over effects when designing a therapeutic intervention, reinforcing the role of the couple relationship and the interpersonal context in which this matter occurs. <![CDATA[<b>Questionário de diagnóstico local de segurança</b>: <b>Estudo numa comunidade urbana</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312013000200006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Este texto apresenta de um questionário construído em colaboração com o Comando Metropolitano do Porto, que intervém numa comunidade urbana problemática, situada na freguesia da Sé, Porto. Subjacente à construção do questionário para levantamento de Diagnósticos Locais de Segurança (DLS), segundo as diretrizes ministeriais nacionais, esteve a necessidade de, naquela comunidade urbana, se caracterizar o sentimento de (in)segurança dos moradores nas suas componentes objetiva e subjetiva. O instrumento, cuja versão final é composta por cinco secções, foi administrado a uma amostra de 244 indivíduos de ambos os sexos, residentes, trabalhadores ou estudantes naquela região e com idades entre os 16 e os 82 anos. O estudo transversal e descritivo revelou o predomínio de uma perceção de segurança, não obstante a noção de aumento da criminalidade. O tráfico de drogas surgiu como crime mais frequente, e os mais temidos foram furto/roubo, assalto a residência e tráfico de drogas. O desemprego e os problemas económicos foram percebidos como causas para o aumento da criminalidade. A reabilitação urbana e o aumento de policiamento foram medidas sugeridas para aumentar a segurança. Estes e outros resultados reforçam a importância de diagnósticos locais de segurança, para a elaboração de estratégias preventivas adequadas a cada comunidade específica.<hr/>This paper presents a questionnaire designed in collaboration with Porto’s Metropolitan Command which intervenes in a problematic urban community, located at the Sé parish. Underlying the construction of the questionnaire, aimed at the collection of data for the Local Safety Diagnostic (DLS) in accordance with the Portuguese ministerial guidelines, it was the need to characterize the feeling of (in) security among the residents in the area in its objective and subjective components. The final version of the questionnaire integrates five sections, and was administered to a sample of 244 individuals of both sexes, with ages ranging from 16 to 82 years, that at the time of the survey were living, working or studying in that area. This transversal and descriptive study revealed the predominance of a perception of safety, despite the notion of increased criminality. Drug traffic was the most common crime, and burglary / theft, robbery and drug trafficking were the most feared crimes. Unemployment and economic problems were perceived as the causes of crime escalation. Urban rehabilitation and increased policing were the respondents’ suggestions to increase security. These and other findings underlie the importance of local security diagnostics in the development of appropriate preventive and community safety strategies. <![CDATA[<b>Quando o cliente pensa que não sente e sente o que não pensa</b>: <b>Alexitimia e psicoterapia</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312013000200007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt É repetidamente referido na literatura que pacientes alexitímicos têm piores resultados em psicoterapia. Tendo como referência que as características associadas ao conceito de alexitimia reflectem défices ao nível do processamento emocional, não só ao nível da regulação emocional, mas também dos processos subjacentes, como a consciência e a experienciação emocionais e a expressão e a diferenciação emocional, sugere-se que com pacientes com funcionamento alexitímico seja necessário um maior enfoque terapêutico ao nível das tarefas emocionais. Neste trabalho salientamos as dificuldades que podem ocorrer ao nível da aliança terapêutica e discutem-se as implicações para as tomadas de decisão clínica. Através de uma análise crítica da literatura apontamos a importância de ter em conta esta dimensão na conceptualização de caso, no sentido de antecipar dificuldades ao nível da relação terapêutica e de se optar por objectivos mais focados nos processos subjacentes à alexitimia do que nas suas consequências.<hr/>The research literature repeatedly shows patients with alexithymia as having poorer outcomes in psychotherapy. Taking into account that the characteristics associated with the alexithymia construct reflect deficits in the emotional processing, not only with emotional regulation but also with other underlying processes, such as emotional awareness, experiencing, and the expression and differentiation of emotional experience, we suggest that with these patients it is necessary a greater emphasis on emotional tasks. The difficulties regarding therapeutic alliance are highlight and the implications for clinical decision making are discussed. We also suggest taking alexithymia into account on the case conceptualization with the aim of anticipating and reducing difficulties on the therapeutic alliance and to centre the attention in goals more focused on alexithymia functioning then on its consequences.