Scielo RSS <![CDATA[Análise Psicológica]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=0870-823120110003&lang=pt vol. 29 num. 3 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt <![CDATA[<b>Perfis de aprendizagem de estudantes do ensino superior</b>: <b>Abordagens ao estudo, concepções de aprendizagem e preferências por diferentes tipos de ensino</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312011000300001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Tendo por base o trabalho de Entwistle e colaboradores sobre a forma como os estudantes do ensino superior percepcionam e vivem as experiências de aprendizagem, foram objectivos centrais do presente trabalho, por um lado, conhecer e analisar os significados atribuídos por estudantes à aprendizagem, ao estudo e às preferências por tipos de ensino e, neste sentido, perceber de que forma os estudantes conceptualizam o que lhes é exigido em termos de aprendizagem na universidade; e por outro, compreender se serão divergentes as abordagens ao estudo e as concepções de aprendizagem de estudantes de diferentes áreas científicas e anos. Foram consideradas as percepções dos estudantes em relação ao ambiente de ensino-aprendizagem, entendidas como indicadores que influenciam o que os estudantes pensam sobre o ensino, o estudo e a aprendizagem (preferências por tipos de aulas e de ensino). Considerando a proximidade dos constructos, quisemos ainda relacionar as abordagens à aprendizagem com as concepções de aprendizagem (reprodutivas e significativas) e com a preferência por formas de ensino e de instrução diversificadas. Foi também nossa intenção definir perfis em função das formas como os estudantes abordam o estudo e a aprendizagem. O estudo realizado assume uma natureza descritiva, correlacional e não experimental, tendo sido desenvolvido com 568 estudantes de uma instituição universitária do sul do país. Os resultados obtidos permitem-nos afirmar a existência de algumas diferenças significativas em função do ano e do domínio científico, bem como identificar perfis dissonantes em termos das formas como os estudantes abordam o estudo e a aprendizagem.<hr/>Based on the work of Entwistle and colleagues about how students perceive and live learning experiences, the main aims of the present study were: first, to understand and to analyze meanings attributed to learning, to study and preferences for types of teaching, in order to understand how students conceptualize what is required from them in terms of learning in Higher Education; second, to understand if students’ approaches to studying and conceptions of learning differ according to the scientific areas and course years. Furthermore, if differences were found, our intention was to analyze its meanings, what seems most relevant in terms of learning pathways for those involved. In this sense, we considered the perceptions of students regarding teaching and learning, as indicators that influence what students think about teaching, studying and learning (preferences for types of lectures and teaching). Considering the proximity between constructs we wanted to further relate the approaches to learning with the conceptions of learning (reproductive and significant) and, the preference for diversified types of learning and of instructions. It was also our intention to set profiles according to the ways the students approach study and learning. This descriptive, correlational and non experimental study design was developed with a sample of 568 students at a university in the south of a European country. The results supported the hypothesis that there are some significant differences in terms of year of course and of the scientific domain, and allowed us to set profiles according to the ways students perceive study and learning tasks. <![CDATA[<b>Erros ortográficos e competências metalinguísticas</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312011000300002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A consciência e fonológica e morfológica têm sido associadas com o desempenho ortográfico. Pretende-se neste estudo analisar o modo como as duas competências metalinguísticas estão relacionadas com a natureza dos erros ortográficos cometidos por crianças do 2º e 4º anos e clarificar a natureza da ligação entre a consciência morfológica e fonológica e os erros em palavras com regras contextuais, erros em palavras associadas a regras morfológicas e erros em palavras regulares. Os resultados apontam para correlações significativas negativas e moderadas entre a consciência fonológica e os três tipos de erros. As mesmas correlações foram encontradas entre a consciência morfológica e os erros associados às restrições contextuais e morfológicas, não tendo sido encontrado nenhuma relação com erros estritamente fonéticos.<hr/>Research carried out in several orthographies confirmed the influence of phonological and morphological awareness in orthographic performance. Our aim is to analyse how phonological and morphological awareness are connected with different types of orthographic misspelling of 2nd and 4th grade children and clarify the nature of the relation between phonological and morphological awareness and misspelling on words with contextual restrictions misspelling on words with morphological restrictions and misspelling on regular words. Our results show significant negative and moderate correlations between phonological awareness and the 3 types of misspellings. The same kinds of correlations were obtained between morphological awareness and misspelling on contextual words and misspelling on morphological words. There were not found any correlation between morphological awareness and phonetic misspellings. <![CDATA[<b>Representações de vinculação na infância</b>: <b>Competência verbal, estabilidade e mudança</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312011000300003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Visando identificar diferenças individuais no modo como as crianças encenam uma variedade de situações relacionadas com a vinculação, o Attachment Story Completion Task (ASCT, Bretherton & Ridgeway, 1990) tem sido utilizado em diferentes culturas, sendo uma das metodologias narrativas de completamento de histórias mais utilizadas durante o período pré-escolar. Não obstante o vasto reconhecimento do seu valor, tanto clínico como empírico, mais estudos revelam-se indispensáveis para confirmar a validade discriminativa do ASCT face a medidas de competência verbal, bem como para clarificar alguns aspectos relacionados com a sua fiabilidade. Procurando contribuir para uma melhor compreensão da utilização do instrumento na população portuguesa, o presente estudo debruçase especificamente sobre a potencial influência da idade e do Q.I. verbal nas respostas dadas pelas crianças. O ASCT foi aplicado a 159 crianças em idade pré-escolar e escolar (M=66.11, DP=9.96), tendo o desempenho dos sujeitos ao longo da tarefa sido analisado através de uma escala contínua de segurança, por investigadores independentes, previamente treinados. Os valores de segurança (quer história a história, quer no conjunto das histórias) não apresentaram associações relevantes com nenhuma das variáveis sócio-demográficas consideradas, nem com a idade dos participantes. Foi, no entanto, encontrada uma associação positiva, de fraca intensidade com o Q.I. verbal, estimado através da WPPSI-R [Wechsler, 1989) (r=.16, p(unilateral)<.05]. A estabilidade da medida foi explorada numa sub-amostra de 34 sujeitos, após um intervalo temporal de, aproximadamente, 11 meses. Verificou-se que, embora haja uma tendência para o desempenho global dos sujeitos ser avaliado, em termos da média grupal, de forma significativamente mais elevada [t(33)=2.50, p(unilateral)<.01, d=.49], quando avaliada intra-sujeitos, a segurança mostra-se moderadamente estável (r=.33, p<.05, n=34). Final mente, foram encontradas evidências que sugerem influências recíprocas, ao longo do desenvolvi mento, entre aspectos associados à segurança das representações e capacidade verbal.<hr/>Attempting to identify individual differences in the way children tend to enact a variety of attachment related scenarios, the Attachment Story Completion Task (ASCT, Bretherton & Ridgeway, 1990) has been used in various cultures, being considered a key narrative methodology in the field. Although ASCT’s both clinical and empirical value is widely acknowledged, more research seems to be needed to fully confirm its discriminative validity from measures of verbal competence, as well as to clarify reliability issues. This study aims to contribute to a better understanding of the instrument in the Portuguese population, especially in what concerns the potential influence of age and verbal I.Q. in participants’ performance. 159 pre-school and school age children (M=66.11, SD=9.96) participated in the study. Children’s performance in each of the stories was assessed using a continuous security scale rated by independent trained coders. No significant correlations were found between security scores and social-demographic variables, or children’s age. However, a weak positive association was found with verbal I.Q., estimated with the WPPSI-R (Wechsler, 1989) [r=.16, p(unilateral)<.05]. Temporal stability was examined in a sub-sample (n=34), after an 11 months period. Security scores were higher in the second evaluation, in terms of group’s mean [t(33)=2.50, p(unilateral)<.01, d=.49], but there was moderate stability (r=.33, p<.05, n=34) when security was considered at the intra-individual level. Data also supports the idea that, along development, there are bidirectional influences between the organization of attachment representations and children’s verbal capacities. <![CDATA[<b>Influência da paridade na adaptação da transição para a maternidade em grávidas infectadas pelo VIH e grávidas sem condição médica associada</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312011000300004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt No presente estudo empírico procuramos explorar a influência da paridade na adaptação na transição para a maternidade de grávidas seropositivas para o VIH e grávidas sem condição médica de risco associada. Noventa e oito mulheres (47 grávidas seropositivas para o VIH e 51 grávidas sem patologia médica associada) foram avaliadas durante o segundo trimestre de gravidez e dois a quatro dias após o parto. O protocolo de avaliação era composto por uma ficha de dados sociodemográficos e grelhas clínicas e obstétricas, e por instrumentos de auto-resposta, destinados a avaliar a sintomatologia psicopatológica (Brief Symptom Inventory), a reactividade emocional (Emotional Assessment Scale) e a qualidade de vida (WHOQOL-Bref). Os resultados obtidos mostram que, para ambos os grupos, a multiparidade se encontra associada a maiores dificuldades de adaptação na transição para a maternidade, de forma mais acentuada entre as mulheres infectadas pelo VIH. O maior poder discriminativo, em função da paridade, registou-se nos domínios Relações sociais e Ambiente, na faceta geral de qualidade de vida e na dimensão Ansiedade. Ao longo do tempo, a maior estabilidade individual registou-se entre as multíparas dos dois grupos e a menor estabilidade entre as primíparas infectadas pelo VIH. Os resultados do nosso estudo apoiam a existência de diferentes padrões e trajectórias de adaptação das grávidas primíparas e multíparas e, essencialmente, a importância de considerar intervenções diferenciadas para cada um dos grupos.<hr/>In the present empirical study, we intend to determine the influence of parity in the adaptation in transition to motherhood among HIV-positive pregnant women and pregnant women without associated medical risk. Ninety-eight women (47 HIV-positive and pregnant women and 51 pregnant women without medical risk) were assessed during the second trimester of pregnancy and 2 to 4 days postpartum. The assessment protocol consisted of social-demographic, clinical and obstetric grids; and self-report questionnaires designed to assess psychological symptom patterns (Brief Symptom Inventory), emotional reactivity (Emotional Assessment Scale), and quality of life (WHOQOL-Bref). Our results showed that multiparity is associated with worse adaptation in the transition to motherhood, more prominently among HIV-infected women. The highest discriminative power, regarding parity, was observed in the Social Relationships and Environment domains, in the general facet of quality of life as well as in the dimension Anxiety. Throughout time, the highest individual stability was reported among multiparous women and the lowest stability was observed in HIV-infected primiparous women. Our findings supported the existence of different patterns and trajectories of adaptation for primiparous and multiparous women and, essentially, suggested the importance of differential interventions concerning each group. <![CDATA[<b>Terapia cognitivo-comportamental</b>: <b>A preparação do paciente com transtorno de pânico para as exposições agorafóbicas interoceptivas e in vivo</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312011000300005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Objetivo: O estudo com terapia cognitivo-comportamental (TCC) procurou demonstrar a preparação do paciente com transtorno do pânico para exposições agorafóbicas. Foram usadas as técnicas das exposições interoceptivas, às próprias sensações corporais, e in vivo, a locais ou situações temidas. Metodologia: 50 indivíduos, divididos em dois grupos de 25 participantes cada um. O grupo 1 realizou 10 sessões de TCC semanais e individuais com uma hora de duração e fez uso de medicamentos e o grupo 2, controle, usou apenas medicação sem TCC. A medicação prescrita consistiu em antidepres sivos tricíclicos e inibidores seletivos de recaptação da serotonina. Foram aplicados instrumentos de avaliação no início e ao fim das intervenções médica e psicológica. Resultados: Observamos uma diferença significativa entre a avaliação inicial e final no grupo 1, como: redução nos ataques de pânico, ansiedade antecipatória, esquiva agorafobia e medo das sensações corporais. Na escala de avaliação global do funcionamento, um aumento do bem-estar global de 60.8% a 72.5% entre pacientes do grupo 1 com terapia, diferentemente do grupo 2 sem terapia. Conclusões: As técnicas de TCC para as exposições foram consideradas essenciais na preparação dos pacientes com transtorno de pânico, para enfrentarem os ataques de pânico e as situações agorafóbicas subseqüentes.<hr/>Objective: This study in cognitive-behavioural therapy (CBT) was to demonstrate the preparation of the patient with panic disorder for agoraphobic exposures. Techniques have been used for exhibitions interceptive their own bodily sensations and in vivo exposure to feared situations or places. Methodology: 50 individuals divided in two Groups of 25 participants each one. Group 1 undertook 10 weekly, individual sessions of CBT of one hour duration with use of medication. Group 2, control, only used medication without CBT. The medication prescribed consisted of tricyclic anti-depressants and selective inhibitors of the re-uptake of serotonin. At the beginning and at the end of the medical and psychological interventions evaluation instruments were applied. Results: We observed a significant difference between baseline and final in a group 1, such as: reduction in panic attacks, anticipatory anxiety, agoraphobia avoidance and fear of bodily sensations. In the global assessment of functioning scale, an increase in the overall well-being of 60.8% to 72.5% among patients in group 1 with therapy, unlike the second group 2 without therapy. Conclusion: The procedures used for exposures, were considered essential in the preparation of patients with panic disorder, to be able to face up to panic attacks and subsequent agoraphobic situations. <![CDATA[<b>Avaliações em situações de risco e perigo para as crianças</b>: <b>Um roteiro organizador</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312011000300006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A avaliação é uma componente central das actividades dos profissionais que intervêm junto de famílias com crianças em situação de risco e perigo, nomeadamente em casos de maltrato. Uma avaliação constitui uma actividade orientada para a produção de informação que possa dar resposta a um conjunto específico de questões pré-determinadas e que facilite um determinado processo de tomada de decisão. A partir da revisão da literatura, apresenta-se um roteiro organizador das avaliações em situações de perigo e de risco, diferenciando os diferentes níveis de avaliação e enunciando um conjunto de questões facilitadoras da recolha de informação.<hr/>Assessment is a core activity of professionals working with families with at-risk or in-danger, particularly maltreated children. Assessment is an activity orientated for the production of information which provides an answer to a specific set of pre-determined questions in order to facilitate decision-making. Based on a literature review this article presents a map of organization of assessments in cases of risk or danger, distinguishing different levels of assessment and describing a set of questions to facilitate the collection of information. <![CDATA[<b>Sobre o que se transporta</b>: <b>(Contra)Transferência(s)</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312011000300007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt No presente trabalho, as autoras propõem-se pensar as noções de transferência e de contratransferência, pensando em malas (continentes de conteúdos) que imigrantes transportavam para um país estrangeiro, realçando o que cada um, terapeuta e paciente transportam na/para/da relação, tendo por base o modelo psicanalítico, pedra basilar na prática da Psicoterapia de Inspiração Psicanalítica. Inicialmente é apresentada uma perspectiva histórica da leitura destes fenómenos transferenciais. Posteriormente, são expostas algumas teorias e perspectivas que, no entender das autoras, descrevem de forma mais completa e mais próxima da realidade o modo como os fenómenos (contra) transferenciais surgem no setting psicoterapêutico. A clarificação das noções de transferência e de contratransferência, explicitam a sua pertinência para a prática clínica, numa articulação directa com a psicopatologia tal como a podemos entender em termos clássicos, através das noções de Neurose, Patologia Limite e Psicose. Dada a necessidade de olhar para estes conceitos sob um outro prisma quando se trabalha em instituições, as autoras procuraram um (re)significar do encontro terapêutico, reflectindo-se sobre a pertinência da transferência e de contratransferência, quer para a Psicanálise, como para a Psicoterapia de Inspiração Psicanalítica.<hr/>In the present paper, the authors propose to reflect on the concepts of counter-transference and transference, thinking about luggage (continents of contents) that immigrants carried to a foreign country, enhancing what each one, therapist and patient carry in/to/from the relation, having the Psychoanalytic idea as the model, the cornerstone in the practice of Psychoanalytic Psychotherapy. A historical perspective of the comprehension of these transfer phenomena is presented initially. Then, some theories and perspectives are presented which, in the understanding of the authors, describe, more completely and closer to reality, the way the phenomena (counter) transfer appear in the psychotherapeutic setting. The clarification of the counter-transference and transference, demonstrates its relevancy for practical clinic, in direct articulation with the psychopathology as can be understood in classical terms, through the concepts of Neurosis, Borderline and Psychosis. Given the necessity of looking at these concepts through the prism of institutional care, the authors searched for a (re)meaning of the therapeutic meeting, reflecting on the relevancy of transference and of counter-transference, both in Psycho analysis, and in Psychoanalytic Psychotherapy.