Scielo RSS <![CDATA[Análise Psicológica]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=0870-823120010004&lang=en vol. 19 num. 4 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt <![CDATA[<b>Estudo conservador de adaptação do <i>Ways of Coping Questionnaire </i>a uma amostra e contexto portugueses</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312001000400001&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente trabalho propõe-se desenvolver uma versão Portuguesa a partir da versão original do Ways of Coping Questionnaire numa perspectiva conservadora. O questionário de 50 itens foi passado a uma amostra de 98 mulheres trabalhadoras, 49% com idade inferior a 30 anos, 77,8% casadas, e com uma escolaridade acima da média da população Portuguesa. A versão encontrada depois da tradução e da discussão de consenso mostrou-se, relativamente às propriedades psicométricas, semelhante à original, impondo somente a retirada de dois itens. A conclusão vai de encontro ao que é proposto pela maioria dos investigadores, ou seja, que este questionário tende a ser dependente das características do respondente, da situação e da transacção. Tal leva forçosamente ao aparecimento de um novo questionário.<hr/>The aim of the present study is to develop a Portuguese version of the original version of the Ways of Coping Questionnaire using a conservative perspective. 98 working women, 49% under age of 30, 77.8% married, scholar level above the Portuguese pattern, answer to the Portuguese version of the original 50 items Folkman and Lazarus (1988) version questionnaire. The Portuguese version adopted after translation and a consensus format of the items, lost two items, conserving 48 of the original items. Psychometric properties are similar to the Ways of Coping Questionnaire. The problems to the Portuguese version are similar to the problems of the original version. We can say that is better, like Edwards and O'Neill (1998) suggestion that users of the WCQ should develop their own scales. <![CDATA[<b>Uma análise da dependência de drogas numa perspectiva fenomenológica existencial</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312001000400002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Neste artigo, os autores analisam o fenômeno da dependência de drogas através do ponto de vista fenomenológico existencial. Considerando que a existência humana não é um fato completo e acabado, mas sim uma tarefa que requer cuidado, a dependência é concebida como uma tentativa de alívio da necessária tarefa de cuidar de ser. Assim, para compreender este fenômeno, serão focalizados alguns aspectos fundamentais da condição humana, tais como temporalidade e abertura existencial. Por fim, proporciona algumas considerações sobre psicoterapia.<hr/>In this paper the authors analyze drug addiction phenomenon through the existential and phenomenological point o view. Considering that human existence is not a complete and finished fact, but a task which requires «care», drug addiction is conceived as an attempt to relief the necessary task of taking care of being. In order to comprehend this phenomenon, some fundamental aspects of human condition as temporality and existential openness are focus. Finally some considerations about psychotherapy are provided. <![CDATA[<b>Arriscar morrer para sobreviver</b>: <b>olhar sobre o suicídio adolescente</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312001000400003&lng=en&nrm=iso&tlng=en No quadro de uma investigação empírica sobre as representações sociais da música, da morte e do suicídio na adolescência, apresentamos neste artigo alguns resultados de perguntas comuns a dois estudos diferentes, com adolescentes da cidade de Lisboa. Destacamos, na análise de resultados, os efeitos das variáveis sexo e grupo etário na ideação de suicídio, ideação de morte, comportamentos de risco, comportamentos de auto-mutilação e nas tentativas de suicídio. Uma vez que se trata de uma análise fundamentalmente descritiva, abordamos nos nossos comentários finais possíveis implicações para estes dados no domínio da prevenção das condutas suicidas e apontamos para linhas de pesquisa que pretendemos desenvolver para uma mais ampla compreensão do complexo fenómeno do suicídio na adolescência.<hr/>The results reported in this paper are related to some common questions from two different studies and belong to a larger research project on social representations of music, death and suicide among Portuguese adolescents, from Lisbon. Analysing the results, we emphasize the effects of the variables sex and age group on the suicide ideation, death ideation, risk-taking behaviours, self-mutilation behaviours and on the suicide attempts. Though this data analysis is mainly descriptive, we proceed to some comments about it's implications on the prevention of suicidal behaviours. And we point out to the research lines we pretend to continue developing, aiming a larger comprehension of the complex phenomenon of adolescent suicide. <![CDATA[<b>Bullying</b>: <b>a provocação/vitimação entre pares no contexto escolar português</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312001000400004&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente estudo pretende caracterizar e diferenciar os jovens provocadores e vítimas nas escolas portuguesas. Numa amostra representativa da população escolar nacional do 6.º, 8.º e 10.ºano de escolaridade (n=6903), analisaram-se os comportamentos de bullying/provocação em contexto escolar, através do questionário «Comportamento e Saúde em Jovens em Idade Escolar» - versão portuguesa do questionário internacional de 1998, da rede Health Behaviour in School-aged Children (HBSC), apoiada pela Organização Mundial de Saúde. Os resultados são consistentes com os de outros estudos sobre a diferença entre sexos, idades e anos de escolaridade - os rapazes, os mais novos e os de anos de escolaridade mais baixos estão mais envolvidos no bullying. Confirmam-se as características, referidas também na literatura existente, dos provocadores (afastamento em relação à família e à escola, bom relacionamento com os pares, consumo de substâncias e exibição de sintomas físicos e psicológicos e depressão), das vítimas (afastamento em relação à escola, problemas no relacionamento com os pares, exibição de sintomas físicos e psicológicos e depressão) e das vítimas provocativas (afastamento em relação à família e à escola, problemas no relacionamento com os pares e exibição de sintomas físicos e psicológicos e depressão). Apresentam-se os determinantes para os comportamentos de provocação (sexo, idade, violência fora da escola, atitude face à escola, sintomas físicos e psicológicos, consumo de tabaco e álcool e nível socio-económico) e de vitimação (sexo, idade, violência fora da escola, relação com os pares, depressão e sintomas físicos e psicológicos, relação com os pais, atitude face à escola e nível socio-económico).<hr/>The present study has been achieved in order to characterize and to show the difference between young bullies and their victims in Portuguese schools. It is an analysis on a representative sample of the national scholar population from the 6th, 8th and 10th grades (n=6903), of bullying behaviours in school environment, using the questionnaire on «Health Behaviour in School-aged Children» - Portuguese version from the 1998 international survey Health Behaviour in School-aged Children (HBSC), under the auspices of the World Health Organization. The results confirm other studies, taking in account the differences between sex, age and scholarship. The younger boys and those with lower scholarship are more involved in bullying. As referred in existing literature, we confirmed the characteristics of bullies (disconnection from family and school, good relationships with peers, substance use and physical and psychological symptoms and depression), their victims (disconnection from school, problems in relationships with peers and physical and psychological symptoms and depression) and of the provocative victims (disconnection from family and school, problems in relationships with peers and physical and psychological symptoms and depression). The causes for bullying behaviours (sex, age, violence outside school, attitude toward school, physical and psychological symptoms, alcohol and tobacco use and socio-economic status) and victimization (sex, age, violence outside school, peer relations, depression and physical and psychological symptoms, family relations, attitude toward school and socio-economic status) are described. <![CDATA[<b>A filosofia existencial de Karl Jaspers</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312001000400005&lng=en&nrm=iso&tlng=en O estatuto da filosofia é o de Filosofia da Existência (Existenzphilosophie). É, por isso, imprescindível manter numa abertura constante e em permanente tensão os seus dois extremos: a Razão e a sua universalidade, e a Existência e a sua singularidade incomunicável. Quanto ao espaço da filosofia, ele é o da verdade mais universal, do acolhimento mais amplo e da decisão mais ousada, no sentido de tudo compreender e transcender, ou tudo compreender transcendendo. Por último, o sentido da filosofia é o de servir de base à vida. Revela-se a todo e a cada homem que nasceu para o descobrir e para se decidir livremente a procurá-lo com um coração puro e consciente de que esta é a única forma de o poder encontrar, uma vez que ele não é constringente nem pode, ao contrário da verdade, ser universal. Fiel à Existência e ao seu pensamento, Karl Jaspers nunca aceitou a denominação de «existencialista» porque nunca defendeu um «existencialismo», o que equivaleria a reduzir tudo à existência, transformandoa num valor absoluto e aniquilando desse modo o seu sentido. A Existência não é absoluta, é a Existência possível. Uma superação constante de si mesma feita de luta, fracasso e fé filosófica. A Existência não é um valor nem um conceito. É liberdade, comunicação, historicidade: o compromisso fundamental do eu-consigo-mesmo,-com-o(s)-outro(s)-e-com-o-mundo. O pensamento, por seu lado, só tem sentido na fidelidade autêntica a essa Existência que é, no seu âmago, cifra da Transcendência. O valor dessa fidelidade concentra-se na decisão constante pela escolha, apesar do fracasso e da culpa. Uma fidelidade que se prolonga até à morte, onde se esgotam as possibilidades do Dasein. No seu conjunto, a obra de Karl Jaspers dá-nos, pela sua autenticidade e pela sua humanidade, uma chave hermenêutica para as várias oscilações do ser-no-mundo enquanto projecto existencial. Dá-nos, acima de tudo, um caminho para a mudança de atitude capaz de converter a derrota em vitória e de transformar a insuficiência e a decepção em élan e em certeza existencial, de transformar a morte em vida.<hr/>The status of philosophy is that of the Philosophy of Existence (Existenzphilosophie). It is, therefore, extremely important to maintain open and in permanent tension its two extremes: Reason and its universality, Existence and its incommunicable singularity. In relation to the space of philosophy, it is that of the most universal truth, of the vaster reception and of the most bold decision as to understand and transcend everything or understand everything transcending. Finally, the sense of philosophy is to be the basis to life. It reveals itself to all and each man who was born to discover it and decides freely to seek it with a pure heart and conscious that this is the only way he can find it, since it is not constricted nor can, contrary to the truth, be universal. Faithful to Existence and its thought, Karl Jaspers never accepted the denomination of «existencialist» because he never defended «existencialism», that would mean reduce everything to existence transforming it into an absolute value and therefore annihilating its sense. Existence is not absolute, it is the possible Existence. It is a constant surpass of itself made of struggle, failure and philosophical faith. Existence is not a value nor a concept. It is freedom, communication, historicity: the fundamental compromise of the «I»-with-itself,-with-others-and-with-the-world. Thought, on the other hand, only has sense in a truly faithfulness to that Existence that is, in its essence, cipher of Transcendency. The value of that faithfulness concentrates on the constant decision of choice, despite failure and blame. A faithfulness that extends itself until death, where Dasein's possibilities end. In its whole, Karl Jaspers' work gives us, due to its authenticity and humanity, a hermeneutical key to the various oscillations of the being-in-the-world as an existential project. It gives us, above all, a way to a change of attitude capable of converting failure into victory and of transforming insufficiency and deception into élan and in existential certainty, death into life. <![CDATA[<b>The great importance of the distinction between declarative and procedural knowledge</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312001000400006&lng=en&nrm=iso&tlng=en So far as we know, apparently the declarative knowledge interacts and combines with the procedural knowledge. But seen from a cognitively psychological point of view, it seems important, as this paper claims, to make a distinction between these two aspects of knowledge. The implication of this distinction for teachers or educators lies in that it helps make clear what human beings are endowed with, how differently they function, and how to adapt human beings more adequately to what are offered with, in an attempt to help students optimize or maximize their learning results. According to the points suggested by this paper, being able to distinguish between the two types of knowledge can enhance teacher's awareness of the teaching methods to be adopted, bring into full play more positive factors of each of the two types of knowledge, and may reveal some more human potential resources to be tapped.