Scielo RSS <![CDATA[Corrosão e Protecção de Materiais]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=0870-116420080001&lang=pt vol. 27 num. 1 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt <![CDATA[<b>Caracterização por Espectroscopia Fotoelectrónica de Raios X (XPS) de filmes de polipirrole em cobre</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-11642008000100001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Filmes de polipirrole foram electroquimicamente depositados em substratos de cobre, a partir de soluções aquosas contendo iões salicilato. Os registos dos transientes de potencial, obtidos sob controlo galvanostático, revelaram a deposição eficaz do polímero nesse metal, evendenciada pela ausência de um período de dissolução do metal base. A comparação dos resultados obtidos em cobre com os registados em platina, permite inferir que o processo de electropolimerização não é influenciado, de forma significativa, pela natureza do substrato. A caracterização dos filmes por Espectroscopia Electrónica de Raios X (XPS), confirmou a deposição de um película de polipirrole uniforme. Uma análise detalhada nos resultados de XPS, para as diferentes interfaces, revelou que a perda de aderência do revestimento, observada após ser submetido a um potencial constante inferior a -0,5 V vs. ESC, resulta da remoção total da camada passivante intermédia formada.<hr/>Polypyrrole films were electrochemically deposited onto copper substrates from an aqueous salycilate solution. The potential transients registered during the galvanostatic films growth, in particular the absence of a period related with the metal dissolution, revealed the effective polypyrrole deposition. The similarity between the results obtained on platinum and on copper allows concluding that the electropolymerization process is not strongly influenced by the substrate nature. The X-ray photoelectron spectroscopy characterization of the PPy films, confirmed the deposition of a uniform polymeric layer. A detailed analysis of the XPS results, for the different interfaces, revealed that the loss of polymer adherence after being submitted to a constant potential lower than -0.5 V vs. SCE, is a result of the complete removal of the formed intermediary passive layer. <![CDATA[<b>Desempenho de pré-primários condutores para indústria automóvel aplicados sobre chapa de aço com revestimentos de zinco</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-11642008000100002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt The main driving forces concerning the use of pre-primed automotive sheet are corrosion protection increase and cost reduction during vehicle manufacturing. In this work, the behaviour of two conductive primers, codified by 1 and 2, was studied and compared with that of a conventional electrophoretic primer. Primer 1 is an organic zinc rich silicate with a low thickness (near 4 µm) and primer 2 is a very thin (near 2 µm) water based primer filled with graphite. These primers were applied on electrogalvanized, hot dip galvanized and galvannealed steel sheets. Formability capabilities of pre-primed galvanized steel sheets were evaluated, through cupping and stone chipping tests, according to EN ISO 1520 and ASTM D3170, respectively. To evaluate corrosion protection, the samples were submitted to a corrosion cyclic test according to VDA procedure 621-415 contained in the SEP 1160. Corrosion mechanisms were studied by scanning electron microscopy (SEM) with X-ray microanalysis by dispersive energy spectrometry (EDS) associated. Primers 1 and 2 offer cathodic protection when exposed, however by different manners, and allow previous welding works. Primer 1 acts as a zinc rich primer and primer 2 acts as a sealer of metallic zinc coatings, not allowing zinc depletion and delaying the appearance of iron corrosion from the steel substrate. After some exposure time it was possible to see on the surface of the primer 2, zinc corrosion products arising from the pores of the paint coating. Primers 1 and 2 applied with a low thickness, seem to be good alternatives to the conventional electrophoretic primers<hr/>Os aspectos ligados ao uso na indústria automóvel, de chapa com pré-primário aplicado, visam sobretudo o aumento da protecção anticorrosiva e a redução de custos durante o fabrico de veículos. Neste trabalho, estudou-se o comportamento de dois primários condutores, referenciados por 1 e 2, e comparou-se o mesmo com o de um primário electroforético convencional. O primário 1 é um silicato orgânico rico em zinco com baixa espessura (cerca de 4 µm) e o primário 2 consiste num primário de base aquosa contendo grafite, com espessura muito baixa (cerca de 2 µm). Aplicaram-se estes primários sobre chapas de aço electrozincadas, galvanizadas por imersão a quente e com “gavanneal”. Avaliaram-se as características de formabilidade das chapas de aço com pré-primário aplicado, recorrendo-se a ensaios de embutimento e de resistência à projecção de gravilha, efectuados de acordo com as nomas EN ISO 1520 e ASTM D3170, respectivamente. Por microscopia electrónica de varrimento (SEM) com microanálise de raios X por espectrometria de dispersão de energias (EDS) associada estudaram-se os mecanismos de corrosão. Os primários 1 e 2 quando expostos, oferecem protecção catódica, embora de modos diferentes, e permitem trabalhos de soldadura prévios. O primário 1 actua como um primário rico em zinco e o primário 2 actua como selante dos revestimentos metálicos de zinco, não permitindo a “exaustão” do zinco e retardando o aparecimento da corrosão do ferro a partir do substrato de aço. Após algum tempo de exposição foi possível observar na superfície do primário 2, produtos de corrosão do zinco que surgiam através dos poros do revestimento por pintura. Os primários 1 e 2 aplicados com uma espessura baixa, parecem ser boas alternativas aos primários electroforéticos.