Scielo RSS <![CDATA[Revista Diacrítica]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=0807-896720150003&lang=pt vol. 29 num. 3 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt <![CDATA[<b>Introdução</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<b>A verdade dos prémios literários</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<b>Acerca dos prémios literários</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<b>Não há prémios puros</b>: <b>E por que haveria de haver?</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<b><i>Doxas</i>, paradoxos e horizontes</b>: <b>o circuito secundário da poesia moçambicana em discussão</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O presente texto reflete sobre as relações entre língua, poesia e institucionalização literária em Moçambique. Após algumas considerações sobre o “símile-campo” nacional, espaço periférico e pouco prestigiado pela instituição literária, centraremos nossa atenção em Poemas em sacos vazios que ficam de pé, primeiro livro de Hélder Faife. Observaremos como o autor exercita um jogo que entrecruza língua e sociedade: a partir de pequenas variações prosódicas (que oferecem uma musicalidade orgânica aos versos) e deslocamentos morfossintáticos (que indiciam o tráfico generalizado entre os protagonistas), Faife apresenta algumas das grandes contradições do atual meio urbano moçambicano.<hr/>This article aims to reflect on the relationship between language, poetry and literary institutionalization in Mozambique. After some considerations about the national simile-field (i.e., the peripheral literary circuit), we will focus on Poemas em sacos vazios que ficam de pé, by Hélder Faife. In his first book the author proposes a kind of intersection between language and society: based on small prosodic variations (that gives an organic musicality to the verses) and morphosyntactic displacements (that suggests the human traffic), Faife presents some of the major contradictions of the Mozambican urban space. <![CDATA[<b>Almeida Garrett e a proposta política do romantismo</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Iremos, neste artigo, discutir a proposta poética e política que sustentou a introdução do Romantismo na literatura em Portugal, através de Almeida Garrett, mostrando como os acontecimentos políticos se tornaram parte do imaginário literário da primeira metade do século XIX. Assim, mostraremos de que forma o Romantismo acabou por associar-se ao e fundir-se com o nacionalismo.<hr/>In this article we discuss the poetic and political proposal that gave grounds for the introduction of Romanticism in Portuguese literature, through Almeida Garrett, showing how political events became part of the literary imaginary of the first half of the 19th century. By doing so, we will show in what way Romanticism became associated and ended up fusing with nationalism. <![CDATA[<b>A arte poética de orfeu na <i>dispersão</i>, de Mário de Sá-Carneiro</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Os poemas que constituem Dispersão têm vindo a ser estudados como um percurso realizado por um sujeito poético em busca de si e da sua obra; num plano mítico e simbólico, essa demanda foi interpretada por David Mourão-Ferreira como a tentativa de Ícaro atingir o impossível, de onde resulta uma queda no abismo. No entanto, o movimento de queda e a insistente demanda possibilitam perceber também a configuração de um sujeito dividido que se conforma com os traços do mito de Orfeu: o contínuo resgate de Eurídice e a sua constante diluição nas sombras não permitem que o sujeito se torne rei de si (ideia coerente com a etimologia de dispersão). Este estudo apresenta, por isso, uma leitura atenta dos poemas de Dispersão, de Mário de Sá-Carneiro, sugerindo uma interpretação do poeta enquanto Orfeu em busca da Poesia perdida nas sombras de si, e que luta por se concretizar.<hr/>The poems that constitute Dispersão have been studied as an expedition undertaken by a subject searching himself and his work as a masterpiece; at a mythical and symbolic level, this demand was tested by David Mourão-Ferreira, who saw it as an Icarus' attempt to achieve the impossible, the result being a fall into the abyss. However, the descending movement and the insistent demand allow the understanding of a divided subject that follows the main features of Orpheus' myth: the continuing rescue of Eurydice and her constant loss in the shadows do not allow the subject to become king of himself (this idea is coherent with the etymology of dispersion). This study presents, therefore, a close reading of the poems of Mário de Sá-Carneiro's Dispersão, suggesting an interpretation of Orpheus-Poet in search of Eurydice-Poetry lost in the shadows of himself, struggling for materialization. <![CDATA[<b><i>Não entres tão depressa nessa noite escura</i> de António Lobo Antunes</b>: <b>da escrita romanesca à partitura musical</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A obra Não Entres Tão Depressa Nessa Noite Escura (2000) de António Lobo Antunes, apresenta uma certa hibridez na sua composição: é classificada como sendo um poema apesar das suas densas 500 páginas e é construída através de uma multiplicidade de vozes narrativas, de perceções e de pensamentos que se entrelaçam, se repetem e se misturam. O autor reconhece ter tentado criar uma nova arquitetura do romance, utilizando outros meios para elaborar o texto. Decidimos explorar que outros meios poderiam entrar em jogo nesta tentativa de encontrar outra forma de escrita.<hr/>The novel Não Entres Tão Depressa Nessa Noite Escura (2000) written by António Lobo Antunes, shows a certain hybridity in its composition: it is classified as a poem despite its dense text of 500 pages being created by means of a multiplicity of narrative voices, perceptions and thoughts which intertwine, repeat and mix. The author explained that he had tried a new kind of novel architecture, using other means to create the text. Our aim is to explore what are these means that might have come into play in this attempt to find another way of writing. <![CDATA[<b>Censura no teatro brasileiro e o arquivo - <i>perdoa-me por me traíres</i> de Nelson Rodrigues</b>: <b>uma análise a partir de jacques derrida</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Problematizando a noção de arquivo a partir de Jacques Derrida, revisitaremos o trajeto histórico da censura no teatro brasileiro e do processo censório da peça teatral Perdoa-me por me traíres do dramaturgo brasileiro Nelson Falcão Rodrigues - processo disponibilizado pelo Arquivo Miroel Silveira (AMS / USP). Exploraremos nessa relação os paradoxos e os conceitos que atravessam o arquivo para compreender as ações censórias que trouxeram para si obras teatrais e, ainda, intencionaram agir diretamente sobre elas, solicitando cortes e mudanças diversas - algo que nos permite considerar a ideia de dupla autoria presente no embate artista versus censura. Com isso, o efeito de abrir o arquivo por meio de conceitos derridanianos é se confrontar com verdades antes não pensadas em torno da censura enquanto arquivo, ampliando a dimensão histórica envolvida e igualmente da nossa capacidade de analisa-lo.<hr/>Questioning the file notion from Jacques Derrida, we revisit the history of censorship in Brazilian theater and the censorial process concerning the play Forgive me for You betraying me by the Brazilian playwright Nelson Falcão Rodrigues, with material provided by Miroel Silveira Archive (AMS / USP). The article aims to explore the paradoxes and concepts that characterize the file in order to understand the censorship actions against theatre plays and the attempts to intervene directly, prompting cuts and several changes - that allows us to consider the idea of dual authorship in the clash artist versus censorship. Thus, the effect of opening the file applying a Derridarian view means to be confronted with facts previously not taken into account about censorship as a file, expanding the historical dimension involved and also our ability of its analysis. <![CDATA[<b><i>Marianela</i> de galdós</b>: <b>um olhar educativo</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Se presenta una aproximación a la decidida defensa de la pedagogía subyacente en esta novela galdosiana erigida en un genuino cántico a la educación, que personaliza en la adolescente Marianela la razón de una intervención educativa. Se identifican fácilmente (1) la caracterización de la figura educadora, que vive un conjunto de valores y ostenta la responsabilidad del proceso, (2) los requisitos de la tarea de la educación: determinada actitud, un particular tipo de relación con la persona a educar, cierto bagaje de conocimientos técnicos y altas dosis de optimismo, (3) un determinado estilo de intervención apoyado en lo que podría denominarse una pedagogía de la mirada, y (4) la atención a la diversidad, valorando en todo educando su singularidad, entrelazada con sus cualidades personales y reconociendo la existencia de las capacidades humanas básicas - sentir, actuar y pensar / conocer - , incluso en las personas con algún tipo de discapacidad.<hr/>Apresenta-se uma aproximação à inegável defesa da pedagogia subjacente no romance galdosiano levantado num genuíno cântico à educação, personificando numa rapariga adolescente, Marianela, a razão duma intervenção educativa. Identificam-se facilmente: (1) a caracterização da figura da educadora, que vive um conjunto de valores e assume a responsabilidade do processo; (2) os requisitos da tarefa da educação, atitude determinada, um particular tipo de relação com a pessoa que tem de ser educada, certa bagagem de conhecimentos técnicos e altas doses de otimismo; (3) um determinado estilo de intervenção apoiado no que poderia denominar-se uma pedagogia do olhar, e (4) a atenção à diversidade, valorizando em todos os educandos as suas singularidades articuladas com as suas qualidades pessoais, e reconhecendo a existência das capacidades humanas básicas - sentir, atuar e pensar / conhecer - , mesmo nas pessoas com algum tipo de deficiência.<hr/>This article is an apology of the true meaning of Pedagogy in Benito Perez Galdós' Marianela. This novel is built on a genuine hymn to education, personalized in the main character, the adolescent Marianela and a positive educational intervention that occurs. There can easily identified (1) the personality of the teacher who lives according to a set of values and holds the responsibility of the process, (2) the requirements of the task of education - determined attitude, a particular type of relationship with the person to be educated, some background of expertise and plenty of optimism, (3) a certain style of intervention supported in what might be called a Pedagogy of Looking, and (4) attention to diversity, valuing the uniqueness of education, intertwined with personal qualities and recognizing the existence of basic human capabilities - to feel, act and think / know - including in the case of people with disabilities. <![CDATA[<b>Recuo ao mais côncavo vazio de juan josé millás</b>: <b>os 40 anos de <i>cerbero son las sombras</i></b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt À guisa de celebração dos 40 anos da aparição a lume de Cerbero son las sombras, romance inaugural da obra de Juan José Millás (Valencia, 1946), este artigo visa analisar a forma como o escritor, sendo então um jovem, patenteou a sua preocupação pela temática existencial, a partir de um género de estética do esvaziamento, esvaziamento este que seria necessário a um posterior preenchimento, dotado de outro colorido, e ao qual um Millás quase septuagenário nos viria a habituar. O recuo que aqui empreendemos procura o lado mais côncavo do escritor, através da descoberta do retalhamento do físico, que é também, e em simultâneo, dilaceração do espírito, até à aniquilação.<hr/>This article commemorates 40 years of literary career since the publication of Millás' Cerbero son las sombras, analyzing the way in which the writer, when he was young, revealed his concern with existential matters. This was projected through an aesthetics of emptying, that afterwards would require a filling, provided with a different colouring, process that the reader recognizes in the writing of Juan José Millás (born in Valencia, 1946), who now is reaching his seventies. Going back takes us to the writer's deepest side, the discovery of physical reduction, that is simultaneously spiritual decline and even complete obliteration. <![CDATA[<b>Cherilyn sarkisian - ‘cher' ou o prometeu pós-moderno</b>: <b>dando voz ao ‘marginal'</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300012&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt This paper aims at showing how Cher's performance helps break barriers of official identities, celebrates difference, and ultimately voices the marginal. Her career is a vast repertoire of ethnic, feminist, and postmodern representations. It celebrates hybridity and self-transformation and is rooted in her ancestry and the sociocultural context of the United States of her childhood and adolescence. In the episode of The X-Files The Postmodern Prometheus the series creator rewrites Mary Shelley's Frankenstein; or The Modern Prometheus and, establishing a parallel between Cher's public image and the myth of Prometheus, shows how her subversive performance empathizes with the marginal and helps build a collective experience that culminates in an impressive number of followers.<hr/>Este artigo tem como objetivo mostrar como a performance de Cher ajuda a quebrar barreiras de identidades oficiais, celebra a diferença e em última instância dá voz ao marginal. A sua carreira é um vasto repertório de representações étnicas, feministas e pós-modernas. Esta celebra o hibridismo e a autotransformação e tem origem na sua ascendência e no contexto sociocultural dos Estados Unidos da sua infância e adolescência. No episódio de os Ficheiros Secretos O Prometeu Pós-moderno o criador da série rescreve Frankenstein ou O Moderno Prometeu de Mary Shelley e, estabelecendo um paralelo entre a imagem pública de Cher e o mito de Prometeu, mostra como a sua performance subversiva revela empatia com o marginal e ajuda a construir uma experiência coletiva que culmina num impressionante número de fãs. <![CDATA[<b>Ainda abanando o barco após todos estes anos</b>: <b>adamastor escreve de volta</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt This paper investigates the discursive construction of the mythical Adamastor in André Brink's The First Life of Adamastor (1993) vis-a-vis the one presented in its hypertext, The Lusiads by Luíz Vaz de Camões (1572). The latter celebrates the Portuguese colonialist enterprise and therefore it has been material in the construction of the Portuguese national identity. The identity built in a faraway past still prevails today, closely interconnected with notions of imperialist nostalgia. In his novel, Brink rewrites/recreates the figure of the giant as a South African native, providing the insight of the ‘Other', at the same time that the binarism is problematically reversed for this time around it is the colonized who is the Subject. This reversal produces an intricate ‘writing back' which is most significant in terms of gender and, in particular, in the controversial construction of the role of women in that process as the text could be argued to reinscribe paradigms of misogyny.<hr/>Este artigo investiga a construção discursiva do mítico Adamastor em The First Life of Adamastor de André Brink (1993) face ao apresentado no seu hipertexto, Os Lusíadas, de Luíz Vaz de Camões (1572). Esta última obra celebra a iniciativa colonialista portuguesa e, portanto, tem sido primordial na construção da identidade nacional lusa. A identidade construída num passado distante ainda prevalece hoje, estreitamente interligada a noções de nostalgia imperialista. No seu romance, Brink reescreve/recria a figura do gigante como um nativo Sul-africano, proporcionando assim a visão do ‘outro', ao mesmo tempo que o binário é problematicamente revertido já que desta vez é o colonizado que é o sujeito. Esta reversão produz um complexo ‘escrever de volta' que é bastante significativo em termos de género e, em particular, na construção controversa do papel feminino no processo já que poderá argumentar-se que o texto reinscreve paradigmas de misoginia. <![CDATA[<b>“A terra está ficando toda de sangue”</b>: <b>poesia e guerra em moçambique</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300014&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O objecto de estudo deste ensaio é a temática da guerra na produção poética de Glória de Sant'Anna, autora de origem portuguesa que viveu durante a época colonial em Moçambique. Os textos analisados, que constituem um exemplo da memória poética da Guerra Colonial (Ribeiro & Vecchi, 2011a), apresentam uma perspectiva feminina sobre o conflito e testemunham a partilha, por parte do sujeito poético, do drama dos portugueses, bem como da população local. Assim, demonstraremos que estes poemas, escritos numa fase tardia do colonialismo, entre 1961 e 1972, remetem para uma visão multifacetada do conflito. Na parte final do ensaio, iremos comparar um dos textos de Glória de Sant'Anna com um poema de Eduardo White, para demonstrar que os dois poetas, apesar de representarem conflitos diferentes, utilizam a mesma linguagem de indignação e dor perante o horror da guerra.<hr/>The aim of this essay is to study the theme of war in the poetic production of Gloria de Sant'Anna, an author of Portuguese origin who lived during the colonial era in Mozambique. The texts that provide an example of poetic memory of Colonial War (Ribeiro & Vecchi, 2011a) offer a feminine perspective on the conflict and show a poetic subject sharing the tragedy of the Portuguese and the local population. We will demonstrate that these poems, written during the final period of colonial era between 1961 and 1972, refer to a multifaceted view of the conflict. In the final part of the article we will compare one of the texts by Glória de Sant'Anna with a poem by Eduardo White to demonstrate that, despite relating to different conflicts, the two poets use the same language of indignation and sorrow at the horror of war. <![CDATA[<b>The future of trauma theory</b>: <b>Contemporary literary and cultural criticism gert beulens, Sam Durrant & Robert Eaglestone</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300015&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O objecto de estudo deste ensaio é a temática da guerra na produção poética de Glória de Sant'Anna, autora de origem portuguesa que viveu durante a época colonial em Moçambique. Os textos analisados, que constituem um exemplo da memória poética da Guerra Colonial (Ribeiro & Vecchi, 2011a), apresentam uma perspectiva feminina sobre o conflito e testemunham a partilha, por parte do sujeito poético, do drama dos portugueses, bem como da população local. Assim, demonstraremos que estes poemas, escritos numa fase tardia do colonialismo, entre 1961 e 1972, remetem para uma visão multifacetada do conflito. Na parte final do ensaio, iremos comparar um dos textos de Glória de Sant'Anna com um poema de Eduardo White, para demonstrar que os dois poetas, apesar de representarem conflitos diferentes, utilizam a mesma linguagem de indignação e dor perante o horror da guerra.<hr/>The aim of this essay is to study the theme of war in the poetic production of Gloria de Sant'Anna, an author of Portuguese origin who lived during the colonial era in Mozambique. The texts that provide an example of poetic memory of Colonial War (Ribeiro & Vecchi, 2011a) offer a feminine perspective on the conflict and show a poetic subject sharing the tragedy of the Portuguese and the local population. We will demonstrate that these poems, written during the final period of colonial era between 1961 and 1972, refer to a multifaceted view of the conflict. In the final part of the article we will compare one of the texts by Glória de Sant'Anna with a poem by Eduardo White to demonstrate that, despite relating to different conflicts, the two poets use the same language of indignation and sorrow at the horror of war. <![CDATA[<b>O voo do garajau</b>: <b>dos Açores a Macau</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672015000300016&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O objecto de estudo deste ensaio é a temática da guerra na produção poética de Glória de Sant'Anna, autora de origem portuguesa que viveu durante a época colonial em Moçambique. Os textos analisados, que constituem um exemplo da memória poética da Guerra Colonial (Ribeiro & Vecchi, 2011a), apresentam uma perspectiva feminina sobre o conflito e testemunham a partilha, por parte do sujeito poético, do drama dos portugueses, bem como da população local. Assim, demonstraremos que estes poemas, escritos numa fase tardia do colonialismo, entre 1961 e 1972, remetem para uma visão multifacetada do conflito. Na parte final do ensaio, iremos comparar um dos textos de Glória de Sant'Anna com um poema de Eduardo White, para demonstrar que os dois poetas, apesar de representarem conflitos diferentes, utilizam a mesma linguagem de indignação e dor perante o horror da guerra.<hr/>The aim of this essay is to study the theme of war in the poetic production of Gloria de Sant'Anna, an author of Portuguese origin who lived during the colonial era in Mozambique. The texts that provide an example of poetic memory of Colonial War (Ribeiro & Vecchi, 2011a) offer a feminine perspective on the conflict and show a poetic subject sharing the tragedy of the Portuguese and the local population. We will demonstrate that these poems, written during the final period of colonial era between 1961 and 1972, refer to a multifaceted view of the conflict. In the final part of the article we will compare one of the texts by Glória de Sant'Anna with a poem by Eduardo White to demonstrate that, despite relating to different conflicts, the two poets use the same language of indignation and sorrow at the horror of war.